Geral Combate à viol√™ncia

Com Ônibus Lilás e centros especializados, Governo reforça serviços de proteção das mulheres

√"nibus Lil√°s j√° atendeu a 13.025 mulheres desde 2019 e o Centro de Refer√™ncia de Atendimento à Mulher mais de 2.700, considerando as restri√ß√Ķes impostas pela pandemia de Covid-19.

Por Redação

11/06/2022 às 12:45:42 - Atualizado h√°
Ações do Governo do Estado garantem proteção e retaguarda a mulheres vítimas de violência - Foto: Rogério Machado/Arquivo AEN

A prote√ß√£o e defesa dos direitos das mulheres e o combate à viol√™ncia contra elas exige a participa√ß√£o de toda a sociedade. O Governo do Estado direciona esfor√ßos para que o atendimento seja levado para mais perto da popula√ß√£o. As a√ß√Ķes na √°rea também s√£o responsabilidade da Secretaria da Justi√ßa, Família e Trabalho (Sejuf), por meio do Departamento de Garantia dos Direitos da Mulher.

"As políticas para as mulheres t√™m esse viés no Paran√°: fazer com que elas tenham seguran√ßa e, cada vez mais espa√ßo e reconhecimento para que possam tocar as suas vidas com tranquilidade", disse o secret√°rio de Estado da Justi√ßa, Família e Trabalho, Rogério Carboni.

Ele lembrou que o Estado possui 21 Delegacias Especializadas e lan√ßou o Bot√£o do P√Ęnico, ferramenta que faz parte do aplicativo 190 da Polícia Militar, direcionada a mulheres com medidas protetivas emitidas pelo Poder Judici√°rio.

Carboni salientou que a gest√£o estadual trata a quest√£o como prioridade. "O governo estadual atua no enfrentamento direto à viol√™ncia contra as mulheres e na conscientiza√ß√£o de toda a sociedade em busca de uma mudan√ßa de mentalidade e do fim da cultura do abuso contra a mulher", destacou.

ÔNIBUS LIL√ĀS – Uma das a√ß√Ķes desenvolvidas pelo Governo do Estado é o Ônibus Lil√°s, destinado ao atendimento individual e sigiloso a mulheres. Os municípios visitados pela unidade móvel s√£o agendados pela Sejuf, por meio de ofício enviado para o email [email protected]

O atendimento é levado a localidades distantes, como assentamentos, aldeias indígenas, comunidades rurais e quilombolas.

Entre janeiro de 2019 e mar√ßo de 2022, foram realizados 2.424 atendimentos no Ônibus Lil√°s em municípios de todas as regi√Ķes do Estado, que receberam 13.025 mulheres. Somente em 2019, foram realizadas 118 a√ß√Ķes, em 96 cidades paranaenses, com 10.237 recep√ß√Ķes e 1.690 atendimentos formalizados.

A pandemia da Covid-19 interrompeu temporariamente a programa√ß√£o em 2020. De janeiro a mar√ßo daquele ano, foram realizadas nove a√ß√Ķes em oito municípios diferentes, somando 1.020 visitantes e 196 atendimentos registrados. O hiato nos atendimentos causado pela pandemia seguiu até a metade de 2021, quando houve retomada gradual das atividades.

Neste retorno, 49 a√ß√Ķes do Ônibus Lil√°s foram realizadas em 37 municípios, recebendo 1.065 mulheres e formalizando 178 atendimentos. Os dados de 2022 incluem as 15 a√ß√Ķes de conscientiza√ß√£o realizadas no primeiro trimestre em 10 municípios paranaenses. Nelas, a unidade móvel registrou 703 visitantes e 360 atendimentos.

CRAM – O Centro de Refer√™ncia de Atendimento à Mulher (CRAM) é outra a√ß√£o voltada a dar apoio para mulheres em situa√ß√£o de vulnerabilidade. Nesse espa√ßo s√£o prestados acolhimento e atendimento humanizado às vítimas de viol√™ncia, com atendimento psicológico e de assist√™ncia social. Também h√° orienta√ß√Ķes e encaminhamentos jurídicos, necess√°rios à supera√ß√£o da situa√ß√£o de viol√™ncia e ao fortalecimento da mulher.

"Contamos com 11 CRAM no nosso Estado: em Curitiba, Araucária, Pinhais, Apucarana, Foz do Iguaçu, Guarapuava, Londrina, Maringá, Sarandi e Umuarama. As mulheres que se encontram em situação de violência podem procurar um desses locais, onde receberão todo o apoio necessário", explicou a chefe do Departamento de Garantia dos Direitos da Mulher, Walquiria Onete Gomes.

"Refor√ßamos o pedido para que a popula√ß√£o, sabendo de casos de viol√™ncia contra a mulher, também denuncie às autoridades", complementou.

Desde 2019 até abril deste ano, o CRAM realizou total de 2.767 atendimentos. Foram 800 em 2019; 425 em 2020 (número que sofreu interfer√™ncia das restri√ß√Ķes da pandemia); 1.085 atendimentos em 2021; e 457 entre janeiro e abril de 2022.

O CRAM oferece atendimento e acompanhamento psicológico, social e orienta√ß√£o jurídica realizado por equipe multidisciplinary, especialmente capacitada, além de articular o acesso a programas de educa√ß√£o e de inser√ß√£o no mundo do trabalho.

"Trata-se de um espa√ßo estratégico da política paranaense de enfrentamento à viol√™ncia contra as mulheres", destacou o secret√°rio Rogério Carboni, ressaltando que a atua√ß√£o é articulada com institui√ß√Ķes governamentais e n√£o governamentais que integram a rede de atendimento às mulheres.

Contatos úteis:

Central de Atendimento à Mulher - 180

Centro de Referência de Atendimento da Mulher РCRAM - (41) 3338-1832

Juizado da Viol√™ncia Doméstica e Familiar Contra a Mulher - (41) 3010-7034

Disque Denúncia - 181

Disque Direitos Humanos - 100

Polícia Militar - 190

Polícia Civil - 197

Comunicar erro

Coment√°rios Comunicar erro

Veja Paraná

© 2022 Veja Brasil Comunicação (Doação para quem gosta do nosso trabalho PIX5543999186653)
Jornalista responsavél Mauricio Santos MTB 0012220/PR

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Veja Paraná