magalu

Promotor apresenta provas falsas para incriminar á Família Boca Aberta, alegando que assessores pagavam suas contas pessoais.

Por Redação Londrina em 07/06/2021 às 16:03:20

O Promotor de Justi√ßa do Ministério P√ļblico do Paran√°, Renato de Lima Castro, emitiu acusa√ß√Ķes com provas falsas contra a Fam√≠lia Boca Aberta, entre os investigados, o Deputado Estadual Boca Aberta Jr, o Deputado Federal Boca Aberta e a Vereadora Mara Boca Aberta no caso de um poss√≠vel pagamento de suas contas pessoais por dois assessores.

As provas falsas apresentadas pelo Promotor que representa MP, os dois parlamentares passaram, segundo o promotor a exigir, a partir de junho de 2019, que os funcion√°rios comissionados do gabinete do Deputado Estadual Boca Aberta Jr, retirassem parte de seus sal√°rios para pagamentos de contas pessoais da fam√≠lia, como um suposto gabinete na Zona Leste da cidade, contas de luz, √°gua, telefone e internet, além de outras despesas.

De acordo com as acusa√ß√Ķes falsas elaboradas pelo Promotor Renato de Lima Castro, forjando provas e intimidando algumas testemunhas escolhidas a dedo para prestar depoimentos em seu gabinete no MP, como ex-assessores e pol√≠ticos derrotados na campanha de 2020, juntos tentaram denegrir a imagem da Fam√≠lia Boca Aberta na politica, soltando na m√≠dia, denuncias falsas e com provas forjadas.

Além das falsas acusa√ß√Ķes que Fam√≠lia Boca Aberta vem recebendo pelo Promotor o mesmo diz que os tr√™s, Pai, M√£e e filho obrigavam os assessores a quitar os impostos relacionados ao pagamento de IPTU e um suposto pagamento de aluguel de campanha do gabinete localizado na Av. Santa Monica, n¬ļ 338, ainda afirma o promotor que o imóvel comercial estaria locado em nome da Fam√≠lia Boca Aberta.

Mas, quem usufru√≠a do espa√ßo locado era o ex-candidato derrotado e ex-assessor do Deputado Boca Aberta, Marcio Aurélio Elesb√£o, vulgo (Capoeira) e sua assessoria de campanha, organizada pela sua colaboradora.

IVONETE MOTA LAGUNA

Ivonete Mota Laguna e Adilson de Souza Ribeiro, este, ex-assessor do Deputado Boca Aberta Junior, Adilson e Ivonete também s√£o testemunhas nas a√ß√Ķes de acusa√ß√Ķes falsas contra a Fam√≠lia Boca Aberta, afirmam eles que, a loca√ß√£o do imóvel era determinada pelo Deputado Federal Boca Aberta como gabinete pol√≠tico e que o deputado os obrigavam a pegar parte de seus sal√°rios para pagamento desse suposto gabinete, bem como o pagamento de √°gua, luz, telefone internet e IPTU, eles afirmam ainda que todas essas despesas eram pagas por meio de amea√ßas cometidas pelo Deputado Federal Boca Aberta.


Quem possui um pouco de conhecimento na √°rea pol√≠tica sabe que todos os candidatos que concorrerem a uma vaga seja ele no Executivo ou Legislativo desde Vereador até o Presidente da Rep√ļblica, que, após uma elei√ß√£o sendo vitorioso ou n√£o é obrigatório pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que fa√ßam as suas devidas presta√ß√Ķes de contas junto √° Justi√ßa Eleitoral, sendo assim o candidato derrotado pela terceira vez M√°rcio Aurélio Elesb√£o (Capoeira) na sua campanha de vereador, após a derrota nas urnas em Londrina, prestou conta dos seus gastos eleitoral ao órg√£o competente, também é sabido que qualquer cidad√£o seja ele candidato ou n√£o poder√° questionar a presta√ß√£o de contas de qualquer candidato.

E assim o foi feito pelo candidato Douglas Bassetto, também derrotado, questionou as contas do ora denunciante, fazendo a seguinte pergunta:

Por porque n√£o foi oficialmente declarado ao TSE sobre os gastos de campanha como:

Aluguel do comit√™ localizado na Avenida Santa Mônica, Zona Leste de Londrina, gastos com consumo de energia, √°gua, servi√ßos de internet e IPTU, locado em nome de sua colaboradora Ivonete Mota?

Confira no processo abaixo:

Veja que o candidato disse a Justiça Eleitoral:

MARCIO AURÉRIO (CAPOEIRA)

O senhor M√°rcio Aurélio Elesb√£o (Capoeira) confessou na presta√ß√£o de conta eleitoral n¬ļ 0600432-66.2020.6.16.0146, que o imóvel foi locado no interesse da promo√ß√£o de sua imagem, bem como foi custeado pela sua apoiadora politica e locat√°ria do imóvel Ivonete Mota Laguna.

Veja o que diz Print do documento da prestação de conta.


Também declarado oficialmente na presta√ß√£o de contas, que é de inteira responsabilidade de Ivonete Mota e Adilson Ribeiro o contrato do imóvel da Avenida Santa Monica Zona Leste da cidade de Londrina, conforme contrato abaixo:

Veja contrato:


Ainda diz em ju√≠zo Marcio Aurélio Elesb√£o (Capoeira) que o mesmo n√£o tem nenhuma responsabilidade sobre esse imóvel alugado, a volunt√°ria Ivonete Mota era ent√£o simpatizante da campanha do mesmo e também junto com Adilson Ribeiro, cujo s√£o os oras denunciantes e testemunhas escolhidas pelo promotor Renato de Lina Castro (GEPATRIA) para prejudicar a fam√≠lia Boca Aberta.

ADILSON RIBEIRO

Adilson Ribeiro foi assessor e colaborador do gabinete do Deputado Boca Aberta J√ļnior (PROS-PR).

Veja agora a senten√ßa emitida pelo Juiz eleitoral que o referido gabinete era de responsabilidade de Ivonete Mota, na senten√ßa do referido processo, isto é, na presta√ß√£o de conta eleitoral n¬ļ 0600432-66.2020.6.16.0146, foi reconhecido pelo JU√ćZ que, o local era utilizado e custeado por Ivonete Mota Laguna, que acusa falsamente a Fam√≠lia Boca Aberta de obriga-los a pagar.


Veja trecho da sentença judicial na prestação de contas do candidato derrotado.

Mesmo assim o magistrado n√£o desaprovou a conta do ent√£o candidato, o sentenciando à aprova√ß√£o de suas contas com ressalva.

Leia Mais: https://vejaparana.com/noticia/5831/por-que-a-familia-boca-aberta-e-tao-perseguida-pela-justica.html

Além do uso do Comit√™ locado e j√° demonstrado aqui em contrato pelos colaboradores citados acima, Ivonete Mota e Adilson Ribeiro, como escritório de campanha eleitoral do candidato, o imóvel também era usado como moradia e trabalhos de manicure, pedicura e depila√ß√£o, pela contratante Ivonete, j√° confirmada e declarada no contrato de loca√ß√£o, apresentada que a mesma era respons√°vel pelo imóvel na Zona Leste no endere√ßo da Avenida Santa Mônica.



Veja a declaração oficial de contrato voluntario de Ivonete Mota na campanha do então candidato.


Procurado pela reportagem do Veja Paran√°, o deputado Federal disse:

A verdade sempre aparece.

A fam√≠lia Boca Aberta diante desses fatos estar√° tomando todas as provid√™ncias para processar civil e criminalmente todos os envolvidos inclusive o promotor do (GEPATRIA) Renato de Lima Castro com representa√ß√£o no Conselho Nacional do Ministério P√ļblico (CNMP).

As persegui√ß√Ķes pol√≠tica contra a fam√≠lia Boca Aberta n√£o tem limite.

J√° existia desde 2015 uma grande persegui√ß√£o politica e da imprensa local, agora essa persegui√ß√£o superou os limites do inimagin√°vel, foi montado um litisconsórcio, um grande conglomerado liderado pelo promotor Renato de Lima Castro, entre Promotores e Ju√≠zes Londrinenses para aniquilar definitivamente a Fam√≠lia Boca Aberta da pol√≠tica, nem que para isso eles se utilizam de golpe baixo como provas falsas e forjadas e da imprensa local para soltar o Fake News institucionalizado e esquemas do submundo do judici√°rio.

O promotor Renato De Lima Castro foi procurado pela reportagem, mas até o fechamento dessa matéria n√£o retornou as liga√ß√Ķes.

Conhe√ßa os modos operantes deste promotor para acusar sem provas e propor a√ß√Ķes fraudulentas para assim denigrir a imagem das pessoas.

O promotor e o MP deveria convocar uma coletiva de imprensa para admitir que errou e pedir desculpas pela perseguição politica ao ex-prefeito.

Vale lembrar que o Promotor Renato de Lima Castro é o mesmo que acusou e entrou com a√ß√Ķes midi√°ticas e mentirosas para incriminar e manchar a imagem do ex-prefeito Homero Barbosa Neto, no caso do suporto super faturamento da merenda escolar h√° época, e agora, após 10 anos o Tribunal de Justi√ßa do Paran√° (TJ) inocentou integralmente o ex-prefeito Barbosa da acusa√ß√£o falsa que o ent√£o promotor Renato confeccionou para o incriminar.

Veja o Link Abaixo:

https://cbnlondrina.com.br/materias/ex-prefeito-barbosa-neto-e-absolvido-em-processo-que-apurou-supostas-irregularidades-no-contrato-da-merenda-escolar

Lembrando que a 4¬™ Vara Criminal absolveu o ex-prefeito Barbosa Neto no processo em que ele era investigado por, supostamente, praticar irregularidades ao autorizar a prorroga√ß√£o de um contrato com a empresa Geraldo J. Coan, que, entre 2011 e 2012, foi a respons√°vel por fornecer a merenda escolar aos alunos da Rede Municipal de Educa√ß√£o. A Promotoria de Defesa do Patrimônio P√ļblico questionou o fato de o munic√≠pio ter feito uma dispensa de licita√ß√£o, ou seja, sem concorr√™ncia p√ļblica, para a contrata√ß√£o da empresa. Num primeiro momento, a recomenda√ß√£o do MP n√£o foi cumprida, mas, em abril de 2012, o munic√≠pio voltou atr√°s e abriu uma licita√ß√£o para contratar uma nova empresa, ficou comprovado que os acusados n√£o tiveram nenhuma inten√ß√£o de se beneficiar com o processo, bem como ficou demonstrada a aus√™ncia de preju√≠zo aos cofres p√ļblicos.

Comunicar erro
magalu 2

Coment√°rios

magalu 3