magalu

Deputado denuncia a corregedoria da Guarda Municipal, GM que assediou sexualmente vereadora londrinense

Por Redação Londrina em 05/07/2021 às 11:14:55

Não bastava as práticas e relatos em seu histórico de crimes contra abusos sexuais a mulheres, o GM Adilson Ribeiro da Guarda Municipal de Londrina, voltou agir novamente com as mesma ações e atos contra um Legislativo Municipal, Mara Boca Aberta, eleita como a vereadora mais votada na historia de Londrina, esposa do Deputado Federal Boca Aberta e mãe do Deputado Estadual Boca Aberta Júnior.

Diante do fatos acontecidos, o Deputado Federal Boca Aberta entrou com uma denúncia a corregedoria da Guarda Municipal contra o GM Adilson Ribeiro para apurar os atos cometidos e pediu para rever a saúde mental e subjetividade do trabalho do GM.


Veja a representação da denuncia feita a corregedoria Geral de Londrina.



Os testes psicológicos dos GM's, deveriam ser mais rigorosos, não basta só aferir a saúde mental dos GM's, mas procurar saber sobre a vida regressa do futuro agente, além disso, muitas vezes o guarda entra em licença saúde ou patologias secundárias resultantes do abuso de álcool e drogas, que mascaram o real problema. Pior ainda, quando se tem histórico de crimes sexuais.

A vereadora Mara boca Aberta, esteve na delegacia de Policia de Londrina, onde oficializou uma queixa contra um assédio sexual que ela sofreu do guarda municipal, Adilson Ribeiro. A Vereadora afirma que foi importunada sexualmente diversas vezes através de comentários. Em uma de suas investidas ,Adilson teria relatado um sonho erótico com a Vereadora. Adilson disse que "revelaria detalhes dos sonhos pessoalmente e sussurrando em seu ouvido", o que foi repelido pela vereadora.


O fato inclusive teve testemunha ocular que afirma a ocorrência, e esta a disposição da justiça. Mara Boca Aberta, agora presidente da comissão da Mulher na Câmara de Vereadores, teve acesso as informações de abusos anteriores praticados pelo Guarda Municipal, o que a fez procurar a policia, para prevenir que outras mulheres fossem vitimadas do mesmo ato de abuso. A vereadora diz que vai tomar outras medidas contra o GM, inclusive como pedido na justiça de medida protetiva que vise o distanciamento do abusador. O mesmo Guarda foi denunciado pela mesma pratica em 2013 por três mulheres , duas enfermeira e uma médica.

A vereadora Mara Boca Aberta repudia a atitude do GM e diante dos relatos e históricos de crimes já cometido pelo mesmo, também não ficou calada foi obrigada a abrir um procedimento interno para através da sua corregedoria punir Adilson Ribeiro de atentar sexualmente contra ela.

A sindicância da prefeitura concluiu com base em suas investigação que Adilson abusou sexualmente das servidoras.


Histórico vergonhosos de crimes sexuais do GM Adilson Ribeiro.

PRIMEIRO CRIME SEXUAL: Vítima de importunação sexual, assistente social teve que pedir afastamento por abalo psicológico.

Uma Assistente social, totalmente apavorada, aos prantos relatou em apuração do crime , que o assédio era constante, e num determinado momento ficou insustentável a situação até ter sido abordada fisicamente pelo G.M Adilson, fato que gerou grande constrangimento. Inclusive gerando o afastamento da profissional de suas funções por problemas psicológicos.


SEGUNDO CRIME SEXUAL: Enfermeira foi agarrada e forçada contra a parede sendo beijada e força.

No mesmo dia do ataque a assistente social, uma enfermeira foi abusada em seu local de trabalho, segundo ela foi forçada a entrar em um quarto escuro, foi forçada contra a parede e Adilson Ribeiro tentou beija-la a força.


TERCEITO CRIME SEXUAL: Médica de upa também foi vítima dos crimes de Adilson.

Assim que se iniciou o seu Plantão, a Médica que não vamos revelar o nome, teve que ouvir relatos obscenos de Adilson o que a fez procurar ajuda policial. Segundo a Profissional, Relatos de sonhos eróticos com a denunciante, bem como elogios obscenos a partes do seu corpo, com finalidades eróticas, o que a importunou sexualmente.

Fonte: https://www.folhadelondrina.com.br/geral/guarda-municipal-e-suspeito-de-assedio-sexual-854490.html



A corregedoria da Guarda abriu investigação e confirmou os crimes.

Com tantos relatos, a Guarda Municipal de Londrina, foi obrigada a abrir um procedimento interno para através da sua corregedoria punir Adilson Ribeiro de atentar sexualmente contra as servidoras. A sindicância da prefeitura concluiu com base em suas investigação que Adilson abusou sexualmente das servidoras.



O corregedor da Guarda, informou que o acusado pode receber punições que vão da suspensão à demissão. Durante a investigação, todos os envolvidos serão ouvidos já que apresentava comportamento estranho durante as abordagens às mulheres sob efeito de substâncias.



Criada efetivamente, a Guarda Municipal tem como objetivos a proteção aos próprios públicos e auxílio à policia no que couber.


Comunicar erro
magalu 2

Comentários

magalu 3